09/01/2011

Senti-me mesmo pequenina...

Realizei duas das mais duras entrevistas da minha vida jornalística esta semana. Histórias sem um final feliz. Sabia o que me esperava mas senti-me mesmo pequenina! Se já pensava o quanto devemos viver os momentos e não fazer planos, estas duas histórias reforçaram o meu pensamento. Ainda nós nos queixamos de coisas sem importância e ...nos chateamos com assuntos que não merecem sequer a nossa atenção. Estou a ganhar coragem para transcrever e finalizar o trabalho. Às mães que aceitaram falar, o meu muito obrigada. Mais duas lições de uma vida diária de grande sofrimento para dar a maior qualidade de vida a duas filhas que têm mais um ano do que eu mas não têm a grande oportunidade de viver a vida. Ser jornalista na área da saúde é mesmo assim. Congratulo-me com as histórias felizes e sofro com as que não têm grande solução. Fico sem fôlego. Não consigo ser indiferente. Sinto-me assim... impotente e pequenina. Senti até algum "pudor" de ter de colocar algumas perguntas embora o objectivo do trabalho seja completamente não sensacionalista (tipo de jornalismo com o qual não me identifico).

Estas duas histórias estarão entre tantas outras que não conhecemos e que descrevem vidas diferentes, sem esperança e absolutamente injustas. Um grande bem haja às duas entrevistadas pela luta, pela partilha, pela decisão de proporcionarem o melhor às filhas pelos seus próprios meios sem grandes ajudas estatais e pelo amor incondicional que demonstram a cada minuto. Que a vida consiga voltar a ter cor e a fazer sentido... se é que algum dia isso será possível. E é isto. Sinto-me mesmo pequenina.

09/07/2010

"Em quatro minutos, quatro bebés"


E se um dia, ao realizar uma ecografia, lhe dissessem que que não estava à espera de um bebé, nem de dois, muito menos de três mas sim de quatro, sem nunca ter feito um tratamento de fertilidade? Como reagiria? Sara Melo é a verdadeira Mãe Ideal e deu à luz, há um ano, quatro linhdas meninas. Conheça a história numa reportagem especial da minha autoria na revista Mãe Ideal de Julho de 2010, já nas bancas. Paginação de Rui Almeida. A leitura é obrigatória e recomenda-se!

"Em quatro minutos, quatro bebés" foi o título escolhido para esta história inédita e para relatar uma família que adorei conhecer. A não perder!

17/04/2010

Depois da ausência e de volta às madrugadas de fecho

Não me esqueci do meu blog. Continuo a mantê-lo com carinho mas a vida não me tem proporcionado grandes actualizações. Em noite (madrugada) de fecho de uma das publicações que coordeno, só me ocorre dizer: ALLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL NIGHT LONGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG

Positiva, animada, cansada, com olheiras mas persistente! O jornal vai para gráfica hoje. Enquanto espero pelo último pdf, partilho este grande som convosco... Se bem que o Lionel Richie refere-se a uma bela noitada de borga e não propriamente de trabalho. Mas ok, Lionel, tudo bem. A malta gosta do som!!!

http://www.youtube.com/watch?v=QiLziusKW4s

Bom fim-de-semana a todos :)

05/02/2010

É hoje!!!

Hoje vou ter a apresentação de um trabalho para a unidade curricular de "Marketing de Serviços de Saúde" sobre o facebook. Eu e as colegas, Raquel e Isabel, estamos ansiosas pois preparámos ao pormenor cada passo do trabalho.
Em baixo podem ver o convite que foi enviado à turma para estarem presentes na apresentação... Há muito tempo que não me sentia tão entusiasmada com um trabalho (ok, a licenciatura também já foi há muitos anos...) Se puderem, liguem o som pois o vídeo tem muito mais piada com o som a acompanhar.


video

28/01/2010

Pequenos grandes gestos que salvam vidas!

As histórias de crianças com leucemia não param de crescer. É frequente surgir um novo caso nos meios de comunicação social, onde se apela à solidariedade da população. Mas será que a leitora sabe como se pode candidatar a dadora de medula óssea, uma vez que o transplante é a única esperança para a sobrevivência destas crianças? A Bebé Saúde lança-lhe o desafio: leia este artigo, não perca tempo e inscreva-se como possível dadora. Um acto tão simples pode mesmo salvar vidas.

A história da Marta, uma menina de cinco anos que sofre de leucemia, veio demonstrar como a solidariedade ainda é uma característica dos portugueses. Amplamente divulgada nos meios de comunicação social, com uma forte campanha movida pela família, reuniu centenas de candidatos dadores de medula, por todo o país e a boa notícia chegou: a pequena e doce Marta tem um dador compatível. Actualmente, encontra-se em recuperação depois de ter realizado um transplante de medula óssea no IPO de Lisboa (um segundo pois o primeiro foi rejeitado pela criança). Actualmente, enfrenta um doloroso e longo caminho de recuperação pela frente.
A história da pequena Marta é semelhante à de tantas outras crianças que têm um “dói dói grande” como a própria já confessou à comunicação social. Apesar da grande onda de solidariedade e da sua página no Facebook (rede social na internet com milhares de utilizadores em todo o mundo) já ter ultrapassado os 14.000 que estão atentos e preocupados com a evolução do seu tratamento, ainda há quem tenha muitas dúvidas no que respeita ao processo de tentativa de doação de medula. Para que comece o ano com um objectivo que custa tão pouco e que pode salvar a vida de crianças com leucemia, a Bebé Saúde dá-lhe todas as informações necessárias. Lembra-se dos desejos que pediu ao comer as 12 passas na passagem de ano e dos objectivos que traçou para 2010? Acrescente mais um e viva o voluntariado na sua melhor expressão: candidate-se e quem sabe pode vir a salvar a vida de alguém que necessite.

Não há que ter medo!
“A transplantação de medula óssea é uma prática terapêutica reconhecida, que permite muitas vezes a cura de doenças graves e que podem ser frequentemente mortais. Estas doenças são muito variadas e podem ocorrer, quer em adultos, quer em crianças. As mais frequentemente citadas são as leucemias”, indica o Centro de Histocompatibilidade do Sul (CHSUL).
Para estas situações, muitas vezes, a única e derradeira esperança de vida é a transplantação de medula óssea com um dador idêntico.
“Uma das condições absolutas para o sucesso da transplantação de medula é a compatibilidade tecidular entre dador e receptor. Assim, é preciso transplantar o doente com uma medula óssea tão idêntica quanto possível no que respeita aos marcadores ou antigénios HLA (antigénios de leucócitos humanos).”
Em primeiro lugar, as equipas médicas vão tentar encontrar dadores compatíveis na família (começando a procura pelos irmãos). No entanto, sabe-se que apenas um em cada quatro doentes encontra um dador idêntico entre irmãos, ou seja, “que tenham herdado as mesmas características tecidulares paternas e maternas”. Por esse mesmo motivo, a esperança de cura acaba por ser centrada nos dadores voluntários compatíveis com o doente. E é aqui que a leitora e os seus familiares podem contribuir!!! Não há porque se sentir insegura mas se preferir, combine com amigos ou familiares e juntem-se nesta causa. Perderá pouco tempo e sentir-se-á muito bem depois de cumprida a sua missão.

Como ser dador?
“Se a sua idade está compreendida entre 18 e 45 anos, se tem boa saúde e gostava de ser dadora voluntária de medula, basta que transmita ao CHSUL ou aos Centros de Dadores a sua vontade (mais informações em www.chsul.pt)
Vão-lhe pedir o seu nome e a morada e irá receber um folheto informativo do processo e um pequeno questionário clínico que deverá preencher e devolver. Esse questionário vai ser depois avaliado por um médico e caso não haja nenhuma contra-indicação vai ser chamado para fazer um simples teste.” Se pensa que este é um processo doloroso, saiba que o teste consiste numa simples análise ao sangue. Os dados recolhidos serão posteriormente guardados numa base informática nacional e internacional e serão usados sempre que um doente seja proposto para transplantação de medula óssea.
“Assim que é identificado um potencial dador compatível, este é informado e, caso aceite, vai prosseguir o processo. Nessa altura, o dador vai ser chamado para fazer testes adicionais de compatibilidade, bem como uma nova avaliação para doenças virais que possa ter tido no espaço de tempo entre a inscrição e a chamada. É este o passo a que se intitula a activação do dador.
Se a avaliação de todos os resultados laboratoriais continuar a considerar o potencial dador como o mais indicado, este vai ser submetido a um exame médico completo onde pode ainda esclarecer quaisquer dúvidas que tenha sobre o processo de dádiva”, esclarece o CHSUL.
Nesta fase, o dador deve estar absolutamente certo da sua decisão de fazer a doação e é-lhe pedido para assinar um impresso de consentimento informado. A partir desse momento, o doente começará a fazer a preparação para a dádiva de células de medula.
Sabia que com este pequeno gesto pode salvar vidas? E que apenas 25% dos doentes tem um familiar compatível e que qualquer um de nós pode responder às 75% de hipóteses de cura de um doente? Para muitos doentes, o transplante de medula óssea é a única esperança de vida!

A doação de medula na prática
Após ter sido encontrado um dador, existem duas formas de colheita das células compatíveis, conforme esclarece o CEDACE (Centro Nacional de Dadores de Células de Medula Óssea, Estaminais ou de Sangue do Cordão), sediado no CHSUL.

- Colheita de células progenitoras do sangue periférico: o sangue vindo da veia do dador circula através de um aparelho chamado separador celular que recolhe, apenas, as células necessárias para o transplante, devolvendo as restantes ao dador;

- Colheita de medula óssea: as células progenitoras do interior dos ossos pélvicos são colhidas directamente, pelo que se requer uma breve anestesia e 24 horas de hospitalização.
O dador poderá optar pela forma de colheita e a cada etapa deste processo ser-lhe-á dada informação sobre o que se irá passar.

O que é a medula óssea?
É o órgão formador das células do sangue, constituído por material esponjoso que se encontra no interior dos ossos. É o local onde as nossas células sanguíneas são produzidas.
Dentro da medula, existem células que se chamam células mãe, cuja função é a diferenciação e produção de células sanguíneas tais como:

Glóbulos vermelhos – transportam o oxigénio dos pulmões para todas as células do corpo;

Glóbulos brancos – combatem as infecções, protegem a integridade do nosso corpo e exercem vigilância imunológica;

Plaquetas – previnem e param as hemorragias.


Condições para ser dador
- Ter entre 18 e 45 anos;- Peso mínimo de 50kg;- Ser saudável;- Nunca ter recebido transfusões;- Não precisa de estar em jejum.
No acto de inscrição num dos vários locais espalhados pelo país onde poderá candidatar-se, deverá apresentar o seu BI ou o cartão de cidadão. Preencherá um formulário e depois de analisadas as suas respostas, saberá se se pode candidatar. Posteriormente, será recolhida uma pequena colheita de sangue (cerca de 12 ml).


Onde recorrer?

Centro de Histocompatibilidade do Sul

Alameda das Linhas de Torres, 1769-011 Lisboa (dentro da cerca do Hospital Pulido Valente)

Site. http://www.chsul.pt
E-mail: lusotransplante@chsul.pt
Telf. 217 504 100
Fax. 217 504 101

Horário de funcionamento: Segunda a Quinta-feira das 8 às 16 horas e Sexta-feira das 8 às 15 horas


Centro de Histocompatibilidade do Norte

Rua Dr. Roberto Frias Pav. Maria Fernanda, 4200-467 Porto

Site. http://www.chnorte.min-saude.pt
Telf. 225 573 470
Fax. 225 501 100

Horário de funcionamento: de Segunda a Sexta-feira das 9h00 às 17h30 (sem interrupção de hora de almoço)* Nas traseiras do Hospital de São João, junto ao Pavilhão das consultas externas na direcção da Faculdade de Desporto (sempre dentro do recinto do Hospital).

Centro de Histocompatibilidade do Centro

Praceta Professor Mota Pinto, Apartado 9041, 3001-301 Coimbra(dentro da cerca dos Hospitais da Universidade de Coimbra)

Site. http://www.histocentro.min-saude.pt
Telf. 239 480 700
Fax. 239 480 790

Para mais informações sobre locais onde se pode inscrever como dador, aceda ao seguinte link:
http://www.chsul.pt/web/index.php?m=36

Texto: Cláudia Pinto
Publicação: Revista Bebé Saúde, Janeiro 2010

31/12/2009

Tudo recomeça... BOM ANO!

Aproveito o editorial que escrevi para uma das revistas em que trabalho (devidamente adaptado) para vos desejar um excelente ano e partilho ainda a música mais emblemática de 2009, na minha opinião e ideal para a noite de passagem de ano, na minha modesta opinião, claro.


Tudo recomeça…

"Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial.
Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão.
Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez,
com outro número e outra vontade de acreditar
que daqui para diante, vai ser diferente."
Carlos Drummond de Andrade


O tempo passa a correr… O Natal já passou e o novo ano chega sem pedir autorização. Quando nos apercebemos, a azáfama típica das festas repete-se e as doze passas transformam-se em pedidos concretos, divididos entre a saúde, a paz, o amor e a felicidade. Como se à meia-noite e todos os rituais da passagem de ano acabassem com os problemas e os solucionassem. Seria tão bom que assim fosse como um toque de magia!

Sejamos realistas mas positivos. Esforcem-se para ter um grande ano de 2010 e lutem pelos seus objectivos. Nada na vida nos é dado de mão beijada. Por isso, sejam persistentes, deixem o negativismo de lado, passem tempo útil com os que mais gostam, permitam que a família tenha tempo para viver com qualidade cada um dos 365 dias deste novo ano.

Depois dos festejos e dos dias agitados, tudo recomeça… A rotina, as contas para pagar, as aulas dos miúdos, o stress do trabalho… No entanto, este recomeço pode ser vivido com tranquilidade. Basta acreditar que o poder da mente é capaz das mais maravilhosas conquistas e dos desafios mais impressionantes. Parem, respirem reflictam, amem e sejam amados. Jamais percam a felicidade de vista! Não é assim tão difícil... Vale a pena acreditar e recomeçar!

Sorriam e brindem ao novo ano!


13/12/2009

Um lugar de encantar...

Não acredita em fadas e outros seres que já esqueceu das histórias de encantar? Vai de certeza mudar de ideias depois de passar um dia na Casa das Fadas, em Óbidos, e mergulhar num mundo maravilhoso de magia e fantasia. No Natal, a visita pode ser ainda mais especial do que no resto do ano. Um programa para fazer em família. É bom crescer rodeado de fadas, duendes, bruxinhas más e boas, gigantes, anões, coelhos que falam, princesas e príncipes encantados, dragões que voam, burros que cantam e sabe-se lá quantas mais maravilhas. Diz quem sabe que os contos de fadas nos preparam para a vida, ajudam-nos a distinguir o bem e o mal, desenvolvem a imaginação, a capacidade de resistir às frustrações e de ultrapassar obstáculos. E são também um maravilhoso refúgio para os desgostos que nos surgem ao longo da vida – o primeiro dos quais é muitas vezes descobrirmos que as fadas não existem e que todo este mundo de espanto não passa de uma invenção popular e literária. Felizmente, e apesar de todo o progresso tecnológico e das muitas brincadeiras electrónicas, as crianças continuam a gostar de ler e de ouvir contos de fadas – algumas já «vestidas» para os novos tempos, preparadas para agradar às crianças do século XXI, mas ainda assim mensageiras da magia e do fantástico que tanta falta faz às nossas vidas.

Na mágica vila de Óbidos, que escolheu também ser a Vila do Natal em Portugal, existe um lugar igualzinho ao das histórias de encantar, que dá pelo nome de Casa das Fadas, e que é uma experiência única para pais e filhos e avós e tios e primos. Uma viagem inesquecível ao mundo da fantasia para toda a família fazer de mãos dadas. Não acredita em fadas? Vá até lá e deixe que o seu coração volte a sentir o encanto de quando era criança. Partilhe com os seus filhos momentos que cada um guardará para sempre como mágicos e especiais.

Sonhos, florestas e histórias de encantar
O projecto da Casa das Fadas nasceu pela mão de Cláudia Valentim. Depois de ter andado por todo o mundo e de ter escrito livros sobre viagens, povos e costumes, iniciou em 1998 o curso de pedagogia de Waldorf, um movimento que defende que o ritmo de desenvolvimento de cada criança é sagrado e deve ser respeitado. Além de dar à criança «tempo para crescer», sem pressas nem competição, o método Waldorf baseia-se nos arquétipos universais constantes nos contos de fadas, considerando-os «o tesouro mais precioso da humanidade». A mentora deste projecto sempre se perdeu «nos cenários idílicos e de sonho das florestas. Sempre me identifiquei com os contos de fadas...»
A nm assistiu à «Ronda das Fadas» juntamente com meninos de várias idades, pais e outros familiares, numa tarde de domingo. Até 3 de Janeiro pode aproveitar para um programa «dois em um». Após uma reserva antecipada, individual ou em grupo, visita a Casa das Fadas numa transversal da rua principal de Óbidos e acaba o dia na Vila Natal, com espectáculos ao vivo, lojas, carrosséis, personagens natalícias, pistas de gelo, entre muitas outras animações. Mais informações em www.obidosvilanatal.pt

Pode ler o restante artigo, da minha autoria na revista Notícias Magazine publicada hoje, com o Diário de Notícias e o Jornal de Notícias ou online em

http://dn.sapo.pt/revistas/nm/interior.aspx?content_id=1445944


Crédito da foto: Rafael Antunes / Notícias Magazine.

Uma reportagem muito engraçada num mundo especial para todas as idades! Aproveitem esta época natalícia e visitem-no!